Arquivo mensal: setembro 2012

Movimento Social da Cultura de Rondônia reúne com Ministra em Brasília

O movimento social da cultura de Rondônia participou na quinta-feira (19) da reunião realizada com a Ministra Marta Suplici em Brasília. O encontro foi uma agenda de construção política onde o Ministério dialogou com representantes das diversas áreas da cultura e ouviu sugestões sobre os desafios da cultura. Participaram representando o Estado, através de uma articulação da Casa Fora do Eixo/RO, Edjales Benício, representante da Kanindé/MHF e o secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Emanuel Nery.

Para o secretário, o encontro foi uma agenda muito importante que estabeleceu um espaço para o movimento cultural se posicionar. “O diálogo foi no sentido de debater avanços e caminhos a serem tomados no fortalecimento de toda a rede da cultura” destacou Emanuel Nery.  O secretário diz ainda, que as deliberações do encontro foram muito positivas para Rondônia. “Vamos criar um Fórum de Discussão, através da SECEL com os movimentos sociais, visando ampliar o debate das redes e agentes de cultura”, frisa Emanuel.

Dentre os desafios propostos no encontro estão o pleno funcionamento dos Pontos de Cultura em todo o Brasil, a tramitação do Marco Regulatório, que está no Congresso Nacional, e a expansão do programa Cultura Viva. A ministra afirmou que os Pontos de Cultura têm que ser o marco na sua gestão. Outro ponto destacado pela Ministra Marta é a baixa captação de recursos oriundos da lei Rouanet para os Estados da Região Norte. Segundo Emanuel Neri a ministra solicitou empenho do secretário e se comprometeu e contribuir com a superação deste entrave.

Edjales Benício vê o encontro como uma demonstração de força do movimento social da cultura e mostra que Rondônia está integrada a essa grande articulação nacional. Edjales diz ainda, que o secretário Emanuel Neri foi muito receptivo as propostas dos movimentos sociais e garantiu continuar com as ações positivas da gestão do Chicão e avançar nos pontos que não foram possíveis.

Texto: Assessoria CFDE- RO

 

 

 

Centro Multimídia Fora do Eixo

O Centro Multimídia Fora do Eixo (CMM) busca a compreensão e expressão de uma comunicação fora dos padrões convencionais, valorizando o trabalho em mídias livres para aprimorar o acesso às informações produzidas nas mais diversas plataformas, reunindo assim agentes de formação empírica ou acadêmica e da cadeia produtiva cultural independente geral, conectando-se em trabalhos colaborativos de abrangência internacional. O Centro Multimídia do Fora do Eixo foi selecionado no Programa Petrobras Cultural, e é patrocinado por meio da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura e Governo Federal.

Através dos nortes: Pesquisa,  Produção de Conteúdo e Difusão, promove a formação de opinião por parte dos agentes da cultura independente e mantém o estímulo ao debate em consonância com a prática da produção multilinguagem. O núcleo tem, entre outros, os objetivos específicos principais como gerar, qualificar e multiplicar agentes midialivristas, além do objetivo macro de comunicar ações do Fora do Eixo.

Ao mesmo tempo, ameaças de cerceamento à liberdade de expressão surgem com medidas de controle da internet, como nos projetos SOPA e PIPA, em discussão nos Estados Unidos, e da Lei Azeredo, o “AI-5 Digital” no Brasil. Além disso, são recorrentes as violações de direitos na mídia, bem como a criminalização das rádios comunitárias e o sufocamento da liberdade de expressão via sociedade civil e movimentos sociais. Por isto, o Centro Multimídia reafirma o reconhecimento da comunicação como um direito humano e social e um bem comum, cuja defesa deve ser objeto da luta das mídias livres, em conjunto com as mais variadas redes e movimentos sociais que pautem tais questões.

Isto também nos conduz a um novo modus operandi da produção comunicacional em relação à cultura, em um viés colaborativo, participativo e interativo, que causa forte impacto na estratificação da sociedade contemporânea. E para que se realizem tais articulações, a Mídia FdE atua de forma intrínseca ao Programa Mídia da Cultura, focado na formação da figura do Cidadão Multimídia, sujeito crítico e gerador de mídia(s) independente(s).

Assim, o CMM reconhece a comunicação como uma potência mobilizadora e essencial à organização política, estabelecendo um contraponto à mídia comercial e hegemônica não só no que diz respeito ao que é veiculado, mas sobretudo com relação à apropriação pela sociedade dos meios de acesso, produção, difusão e distribuição de informação e cultura, em uma Democratização 2.0. Para isto, reúne agentes da cadeia de produção cultural independente e os conecta em trabalhos colaborativos de abrangência nacional com um objetivo principal: gerar novos agentes midialivristas através de atividades de formação, registro e veiculação, exibições e transmissões ao vivo e mostras de conteúdo audiovisual.

Desta forma, o Centro Multimídia dissemina a produção de conteúdo cultural em seus mais diversos âmbitos, contribuindo na transformação da ação cultural, pautado nos conceitos de empreendedorismo, protagonismo, autonomia e troca de informações e serviços. E para que tal meta se cumpra, busca uma participação social efetiva na construção, implementação e monitoramento de políticas públicas, fortalecendo espaços de discussão como as conferências de comunicação, fóruns e observatórios das entidades na área.

Isto faz com que a Mídia FdE promova a difusão de uma nova configuração da cultura brasileira, pautada em princípios rizomáticos e solidários, em ações e projetos cooperativos capitaneados pelos Pontos Fora do Eixo, o que promove a formação de opinião por parte dos agentes da cultura independente e mantém o estímulo contínuo ao debate. E a partir de parâmetros apresentados pela programação cultural veiculada nos espaços ocupados, promove a divulgação de ações e projetos estratégicos em campanhas, sites, vídeos, transmissões, blogs, redes sociais, peças gráficas, visando a unidade possível de se desenvolver entre as mídias e integrando as potencialidades de cada linguagem.

Todo material produzido pelo Centro é veículado em plataformas de editoria própria, procurando sempre contemplar o maior número de mídias (vídeo, texto, foto, rádio, redes). Por isso, mediaremos páginas em redes sociais (facebook.com/foradoeixo e twitter.com/foradoeixo), onde a maioria de sua produção será divulgada, além de manter outros dois veículos de banco de conteúdo: o YouTube (youtube.com/webtvforadoeixo) e Flickr (flickr.com/foradoeixo), esses mais focados em fotografia e vídeo. Futuramente esse conteúdo também será veiculado no site oficial do Fora do Eixo.

Neste contexto, o maior público atingido se forma basicamente por pessoas que buscam o Fora do Eixo para absorção, envio e troca de informações. Entretanto, grande parte do público que acessa é constituído, também, por consumidores de cultura independente, tais como frequentadores de festivais e eventos, bandas em busca de informações sobre produções em todo o Brasil, consumidores da nova música independente, pesquisadores culturais, movimentos sociais, entre outros.