Arquivos do Blog

Coluna Fora do Eixo 364 – Vilhena

"Reunião Coletivo Ekatu" Foto: Neila Azevedo

Chegando em Vilhena por volta das quatro horas da tarde, Nettu Regert recebeu os gestores da coluna em sua casa, que após um descanso saíram para a reunião com o Coletivo Ekatu, seus colaboradores e parceiros. Com pessoas dispostas a conhecer e clarear mais o conceito sobre o Circuito Fora do Eixo, trocando experiências, conversando sobre a realidade da cultura e movimento social na cidade.

O encontro começou com uma reunião do Clube de Fotografia do coletivo, um movimento que começou agora integrando todos os fotógrafos e agregando as pessoas que querem aprender, discutir e divulgar seus trabalhos, de uma forma que exista o crescimento de todo o grupo. Esses encontros periódicos do Clube, são uma maneira de desenvolver essa e outras cadeias produtivas locais, estimulando cada vez mais pessoas a produzirem.

Após a reunião de fotografia outros convidados de diversas áreas como audiovisual, designer, comunicação, movimento social, meio ambiente e interessados por cultura fizeram uma troca de experiências e apresentação de seus trabalhos, como uma forma de integrar aqueles que ainda não se conheciam e criar uma dimensão de possibilidades.

Foto: Neila Azevedo

Em uma conversa madura e rica de conhecimentos, a reunião teve continuidade com uma apresentação do circuito Fora do Eixo,  os gestores não só explicaram como também fizeram um breve relato de seus trabalhos dentro da rede, demonstrando que o trabalho em coletivo rende muito mais, seja de forma econômica, seja de realização profissional, como também de forma de vida. “Vivendo para trabalhar e trabalhando para viver”, é a frase que define o que os gestores tentaram passar. A coluna teve o propósito de reunir e integrar novos agentes na rede, e visualizar esse trabalho no próximo grande evento que é o Grito Rock 2012.

Desenvolver as campanhas do festival, divisão de frentes de trabalho e sistematização de ferramentas são os primeiros passos para essa produção e realização. A mobilização para isso, foi repleta de muitas trocas entre todos, um momento de construção, de mudança e aprimoramento.

Foto: Neila Azevedo

O encontro acabou após a exibição de um vídeo do Festival Fora do Eixo, mostrando um pouco da dimensão desse trabalho. Com relatos de produtores e artistas de como foi o crescimento da rede e como se potencializou, fazendo com que isso se difundisse chegando até aquele momento na reunião, muito proveitoso e estimulante pra todos.

Texto:  Neila Azevedo

Festival Grito do Rock 2012 em Rondônia abre inscrições para Artistas e Bandas

O maior Festival Integrado das Américas chega à décima edição, alcança a Europa e propõe alternativas colaborativas e sustentáveis de produção e circulação de artistas, agentes e tecnologias.

Idealizado em 2002, em Cuiabá, pelo Espaço Cubo – um dos coletivos que deu origem ao Fora do Eixo – FDE, o Festival Grito Rock é uma alternativa ao Carnaval e uma plataforma independente de circulação. Este ano, o projeto ocorre de 17 de fevereiro a 17 de março e reúne produtores de 200 cidades e 15 países, o que representa um aumento de 55% em relação a 2011, quando 130 cidades e 10 países sediaram o festival.

Em Rondônia o Festival será realizado em 4 cidades durante o mês de março, nos dias 02 e 04 em Vilhena, 09 e 10 em Cacoal, 10 e 11 em Ji-Paraná e 16 e 17 em Porto Velho. Através dessa agenda será possível a integração e micro-rotas, facilitando a circulação de agentes, produtores, artistas e bandas, fomentando as trocas de tecnologias sociais, intercâmbio e incentivando a produção e a formação profissional, em projetos voltados ao setor cultural. Em Porto Velho essa é a sexta edição e terceira realizada pelo Coletivo Cultura e Arte Organizando o Social – C.A.O.S., ponto de rede do Circuito Fora do Eixo, uma rede de coletivos que atua como multiplicador da cultura, e não apenas no fomento, mas também no estímulo à formação de seus agentes culturais. Em Vilhena já foram 3 edições e a quarta edição esta sendo realizada pelo coletivo Ekatu um grupo de produção, difusão e articulação de Cultura. Já na cidade de Cacoal, através do Arte e Cultura Social – ARCUS novo na rede, criado para esta edição, mas com a promessa de não parar nesta e nesse único evento, junto com a Associação dos Atores do N.A.D. A promovem a primeira edição na cidade. Em Ji-Paraná o Interior Alternativo, que também está ligado à rede, e a manifestações independentes, está realizando sua segunda edição. Artistas e Bandas já podem fazer sua inscrição para as oportunidades no Toque no Brasil (http://tnb.art.br) visualizando a circulação dentro do Estado de Rondônia.

As edições de cada cidade são produzidas de forma interdependentes, e tudo, principalmente a logística entre elas, é construído colaborativamente com o propósito de tornar sustentável a circulação de artistas, agentes, produtores, produtos e tecnologias.

Em 2011, pela primeira vez, o Grito Rock foi executado nos 26 estados brasileiros e em outros 8 países (com cidades da América do Sul e Central). Para 2012 já são 15 países, incluindo o continente europeu e o México.

Grito Rock Internacional

Reflexo da conexão com diversos países latinos, este ano o Grito Rock se soma a 15 países e se estabelece em 14 cidades estrangeiras. Vários representantes da América do Sul e Central participam da décima edição: Honduras, Costa Rica, Guatemala, Argentina, Bolívia, Colômbia, Chile, Honduras e Nicarágua.

O Festival ocorre também na Cidade do México, Los Angeles e em Braga (Portugal), realizado por brasileiros em parceria com agentes locais. “Recebi um convite e achei ótima a ideia de fomentar um evento brasileiro junto com mexicanos que já trabalham com o cenário independente, é uma grande chance de conectar os dois países através da música” – comenta a brasileira Marina Paschoalli, que está na produção do Grito Rock na capital mexicana.

Balanço

Até o momento foram registradas 203 inscrições, sendo que 61 cidades estão realizando o Grito Rock pela primeira vez. Entre os produtores, 38 estão na Região Sul, 36 da Região Nordeste, 81 no Sudeste, 13 no Centro Oeste e 19 na Região Norte. Desses produtores, 32,5% são de Pontos ligados à rede Fora do Eixo, 25,% são pontos parceiros, enquanto 14,7% ainda não desenvolveram relação com o FdE, mostrando que o projeto transcende o Circuito e atrai produtores de maneira diversos para a realização do Festival.

Mais informações

http://tnb.art.br/

http://gritorock.com.br/

http://coletivoekatu.wordpress.com/

http://coletivoarcus.wordpress.com/

http://interioralternativo.blogspot.com/